RYAN O’CALLAGHAN PENSOU EM SUICÍDIO POR CAUSA DE HOMOSSEXUALIDADE

RYAN O’CALLAGHAN PENSOU EM SUICÍDIO POR CAUSA DE HOMOSSEXUALIDADE

Em entrevista para Cyd Zeigler da OutSports.com, Ryan O’Callaghan assumiu sua homossexualidade e revelou que planejava o suicídio assim que sua carreira terminasse. O offensive tackle, que defendeu o New England Patriots (2006-2008) e o Kansas City Chiefs (2009-2011), diz que quem o salvou das ideias de encerrar sua vida foram companheiros do Chiefs.

O’Callaghan não joga na NFL desde 2010. Uma lesão em 2011 encerrou sua carreira no esporte. Por conta dos traumas, o ex-atleta viciou-se em analgésicos, chegando a gastar 400 dólares por dia com drogas.

“Eu estava abusando de analgésicos, sem dúvida. Isso ajudou com a dor das lesões e com a dor de ser gay. Eu simplesmente não me preocupava em ser gay quando tomava o Vicodin. Eu simplesmente não me preocupava” disse Ryan O’Callaghan.

O OT cresceu em Redding, Califórnia, em uma família conservadora. O’Callaghan diz que, ao longo dos anos, sempre ouviu comentários negativos de amigos e familiares sobre pessoas gays. Por isso, mesmo já sabendo de sua orientação sexual na adolescência, o jogador decidiu guardar para si esse segredo.

A decisão do suicídio

O jogador havia decidido há muitos anos que nunca poderia ter uma vida normal como um homem abertamente gay. Por isso, em 2011, quando sua carreira na NFL chegou ao fim, ele não tinha mais nenhum livro para estudar, nenhum treino para participar e nenhum jogo para o qual se preparar. Era chegado o momento da sua vida acabar.

O’Callaghan preparou uma pequena cabana fora de Kansas City com uma série de armas e chegou a escrever uma nota de suicídio. Ele só esperava o dia em que puxaria o gatilho. No entanto, o treinador do Chiefs, David Price, notou que o jogador estava agindo de forma estranha e o incentivou a se consultar com Susan Wilson — terapeuta que já trabalhou com o time de Kansas City e com a NFL dando aconselhamentos sobre abuso de drogas.

Foi para ela que Ryan O’Callaghan revelou pela primeira vez seu segredo de anos. Porém, a ideia de suicídio não saiu logo da sua mente. O ex-jogador declarou:

“É preciso muito mais força para ser honesto consigo mesmo do que para mentir. Demorou um tempo para construir essa força até mesmo para contar a ela. É preciso construir uma confiança em alguém. Apenas ter contado a ela era como se um peso enorme tivesse sido tirado dos meus ombros”.

Um tempo depois o OT resolveu se abrir com familiares e amigos mais íntimos, e, quando o fez, encontrou apoio. O’Callaghan também contou sua história para diversas pessoas da NFL, inclusive para seu colega de equipe na época de estudos, Aaron Rodgers, e seu companheiro de time do Chiefs, Dustin Colquitt. Ambos prometeram apoiá-lo quando ele resolvesse assumir abertamente sua homossexualidade.

 

Hoje, Ryan O’Callaghan se aceita completamente. O ex-jogador realizou alguns trabalhos com a organização LGBT em Redding e compartilha sua história para se comunicar com outras pessoas na luta LGBT.

“Enquanto há pessoas que se matam porque são homossexuais, existe uma razão para pessoas como eu compartilharem sua história e tentar ajudar” afirma O’Callaghan.

A NFL e a causa LGBT

Michael Sam se tornou o primeiro jogador abertamente gay a ser draftado na NFL. Sam foi escolhido pelo Rams na sétima rodada de 2014. No entanto, o atleta não chegou a jogar efetivamente na liga.

Recentemente, as duas franquias de Los Angeles, Rams e Charges, fecharam patrocínio para um evento voltado para o orgulho LGBTQ+. A 2ª edição do Venice Pride será realizada em Venice Beach, na Califórnia, durante o mês de junho.

É muito bom que jogadores e ex-jogadores estejam cada vez mais confortáveis e seguros em se declarar abertamente gays. A verdade é que notícias como essa não deveriam nem ser notícias. Porém, é importante que sejam disseminadas para que o preconceito seja combatido e para que se aceitar como é não seja tabu e nem motivo de pensamentos suicidas.

Fontes: Outsports.com, cbssports.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *