PRÉVIA SUPER BOWL LI NEW ENGLAND PATRIOTS X ATLANTA FALCONS

PRÉVIA SUPER BOWL LI NEW ENGLAND PATRIOTS X ATLANTA FALCONS

Enfim chega o domingo mais aguardado pelos fãs da NFL, o domingo do Super Bowl! Além da expectativa dos badalados comerciais, da execução do hino pelo cantor country Luke Bryan e do show do intervalo com Lady Gaga, o que todos mais querem ver é o grande duelo que será travado entre New England Patriots e Atlanta Falcons no NRG Stadium.

Veremos o confronto do melhor ataque contra a melhor defesa da temporada regular. Os times já se enfrentaram outras 13 vezes e o New England leva a vantagem com 7 vitórias, incluindo os 4 últimos jogos, no último jogo que aconteceu em 29 de setembro de 2013, os Patriots saíram do Geórgia Dome com o placar de 30 a 23.

Dizer que o New England Patriots é um bom time é a verdadeira definição de “chover no molhado”, a equipe está batendo o recorde de aparições no Super Bowl (9 vezes), e mesmo quando esteve sem Tom Brady no início da temporada, o time conseguiu se firmar mais uma vez entre os melhores da liga. E quando Brady voltou, o time deslanchou, ficando em 4º lugar geral com a média de 269,3 jardas aéreas por partida, além de ser o 3º maior pontuador da liga com 27,4 por jogo.

Mesmo ficando fora dos 4 primeiros jogos por conta do “Deflategate” Tom Brady teve mais uma temporada digna de colocá-lo na disputa para o prêmio de MVP. Ele chega a esse Super Bowl, o 7º de sua carreira e um recorde entre todos os jogadores da liga, com uma de suas melhores temporadas com 3.554 jardas em 291 passes completados, 28 touchdowns e apenas 2 interceptações em toda a temporada regular. Nos últimos 4 jogos, ele lançou para a endzone 11 vezes.

Tom Brady e seus anéis

O sucesso para chegar a números tão expressivos está também em quem recebe seus passes, mesmo perdendo Rob Gronkowski (que terminou a temporada com uma lesão nas costas, mas mesmo assim somou 25 recepções para 540 jardas e 3 touchdowns), Brady soube distribuir seus passes para os WR Julian Edelman, líder do time com 98 recepções para 1.106 jardas e 3 touchdowns, seguido do TE Martellus Bennett, que teve 55 recepções para 701 jardas e 7 touchdowns e a surpresa da final da AFC, o WR Chris Hogan, que marcou 2 touchdowns contra o Steelers.

Os WRs Danny Amendola e Malcolm Mitchell, que tem 8 touchdowns combinados, também são alvos a serem considerados por Brady. Tantos bons recebedores podem ser um problema para a defesa do Atlanta, que na temporada regular permitiu 266,7 jardas por partida mas que nos dois jogos de pós-temporada contra Seattle e Green Bay conseguiu parar 2 excelentes quarterbacks, que são Russell Wilson e Aaron Rodgers.

O safety Ricardo Allen e o LB calouro Deion Jones fizeram 3 interceptações nos 2 jogos. Essa defesa tem mostrado melhora, pois só permitiu 21 pontos ou menos em 6 dos últimos 8 jogos da equipe. A inspiração pode vir da defesa do Giants, que em 2011 era a 29ª defesa e venceu do mesmo Patriots (que era a 31ª) no Super Bowl XLVI.

Não é só pelo ar que o Patriots é um time bem sucedido, no ataque terrestre o time conta com o maior pontuador de toda a equipe, o RB LeGarrette Blount, que mesmo não atuando de forma destacada nos playoffs com apenas 78 jardas em 24 carregadas, ele pode surgir no grande jogo. Blount já anotou 18 touchdowns em 299 carregadas para 1.161 jardas. O jogo terrestre pode variar com o técnico Belichick usando também Dion Lewis e James White, os 2 running backs podem não anotar tantos touchdowns quanto o colega de equipe, mas o playbook do Pats permite que eles sejam bem utilizados tanto na corrida como recebendo os passes de Brady, cada um já anotou um touchdown de recepção na pós temporada.

Bill Belichick e um de seus troféus de Super Bowl.

Os running backs vão enfrentar uma defesa que se manteve no meio do ranking durante a temporada regular, na 16ª posição contra a corrida, permitindo 104,5 jardas por jogo, mas que nos playoffs cresceu e teve 5 sacks, permitindo 21 ou menos nos últimos 8 jogos. O safety calouro Keanu Neal tem 17 tackles na pós temporada e lidera o time no quesito.O defensive end Brooks Reed e o cornerback Jalen Collins já marcaram um sack nos playoffs, Collins também foi responsável por recuperar um fumble no jogo contra o Green Bay Packers quando o FB Aaron Ripkowski corria para a endzone. O Falcons também conta com o novato Vic Beasley Jr, que durante a temporada regular chegou ao expressivo número de 15,5 sacks, uma importante arma no pass rush.

Representando a NFC, o Atlanta Falcons chegou ao Super Bowl com todos os méritos possíveis: foi o melhor ataque da liga somando 540 pontos na temporada regular e 80 pontos em apenas 2 jogos de pós temporada. O técnico Dan Quinn não tem tantas aparições no Super Bowl quanto as de Belichick, que vai para a sua décima decisão, sendo que dos últimos 4 Super Bowls, ele só esteve de fora do SB 50, mas esteve em 2 edições seguidas enquanto ainda era coordenador defensivo do Seattle Seahawks. Como ele enfrentou Belichick no Super Bowl XLIX, o adversário não é totalmente estranho para o técnico do Atlanta, que esteve no top 5 da liga tanto no ataque aéreo com 295,3 jardas de média (3º da liga) quanto no ataque terrestre ficando em 5º com 120,5 jardas corridas em média.

Durante a temporada Quinn montou um playbook que o quarterback Matt Ryan executou com maestria e o colocou no topo da disputa para o prêmio de MVP do ano. Marcando 33,8 pontos por jogo, Ryan conseguiu completar 373 de 574 passes tentados, totalizando 38 touchdowns e 7 interceptações ao longo da temporada. Além disso, ele soube diversificar seus passes, foram 13 recebedores diferentes marcando touchdowns para o Falcons, totalizando 540 pontos, um desafio para qualquer defesa.

Boa parte das jardas e dos touchdowns do Atlanta vieram da conexão entre Matt Ryan e Julio Jones, que lidera o time com 1.409 jardas e 8 touchdowns. Durante uma entrevista essa semana, ele perguntado qual cornerback seria capaz de fazer uma cobertura eficiente contra ele, sua resposta foi: “No mano a mano, eu acho que nenhum.” Mas essa dupla de falcões não voa sozinha em campo e poderemos ver vários jogadores recebendo passes, como Mohamed Sanu, que chegou este ano vindo da free agency e já se tornou o WR 2 da equipe com 59 recepções para 653 jardas e 4 touchdowns (incluindo uma recepção de uma mão só num “shovel pass” rápido de Matt Ryan contra o Green Bay Packers).

Matt Ryan, QB dos Falcons e candidato à MVP

Porém, não se espante se você ouvir nomes como os do WR Taylor Gabriel e dos TEs Levine Toilolo e Jacob Temme, além dos WRs Justin Hardy e Aldrick Robinson e o fullback Patrick DiMarco, seguidos do grito de touchdown, todos eles marcaram pelo menos uma vez na temporada regular. Tantos recebedores podem confundir a defesa aérea do Patriots, que deve manter a cobertura acirrada, como tem sido na pós-temporada, quando já conseguiram 4 interceptações, permitndo 17 pontos ou menos por 5 jogos seguidos.

O CB Logan Ryan já tem uma interceptação nos playoffs, junto com o safety Devin McCourty, e lidera o time com 16 tackles. Já o defensive tackle Malcom Brown tem um sack anotado. O CB Malcolm Butler, que no último título do Patriots foi responsável pela interceptação que faz todos se perguntarem o que Pete Carroll estava fazendo ao chamar um passe na linha de uma jarda quando tinha Marshawn Lynch no backfield.

O jogo terrestre é mais um dos pontos fortes do ataque do Falcons, a dupla Devonta Freeman e Tevin Coleman é uma das mais fortes, mais rápidas e mais produtivas da liga. Freeman lidera com 227 carregadas para 1.079 jardas e 11 touchdowns e Coleman também se mostrou de grande auxilio marcando 520 jardas em 118 carregadas e entrando 8 vezes na endzone.

Os dois também são versáteis e recebem passes de Matt Ryan, enquanto Freeman recebeu 2 vezes para touchdown, Coleman recebeu 3. Os 2 running backs vão encarar uma parede azul que foi a 4ª da liga contra o jogo corrido, permitindo 88,6 jardas em média. Os linebackers Dont’a Hightower e Kyle Van Noy devem ser os responsáveis por parar a dupla de Atlanta, Rob Ninkovich também deve fazer parte dos bloqueios além de participar do pass rush.

Matt Ryan e Tom Brady na abertura da semana do Super Bowl LI

As linhas ofensivas vão trabalhar e muito na proteção aos seus quarterbacks, como já vem trabalhado por toda a temporada. Tom Brady sofreu 15 sacks durante todo o ano (os quarterbacks que jogaram pelo Patriots, Jimmy Garoppolo e Jacoby Brissett, foram sacados 12 vezes em 4 jogos), Matt Ryan foi derrubado mais, 37 vezes, mas na pós-temporada, Brady comeu grama 4 vezes enquanto Ryan sofreu um sack a menos. O entrosamento das 2 linhas ofensivas pode ser crucial para o jogo tanto para a proteção dos quarterbacks quanto para abrir espaços para os corredores.

Caso a disputa tenha que ser resolvida nos chutes, os times tem 2 kickers em quem podem confiar, o Patriots tem Stephen Gostkowski, que já atendeu pelo apelido de “Senhor Automático”, mas que nas 2 últimas temporadas já perdeu field goals e extra points que alguns achavam que ele não perderia, ele marcou 46 de 49 extra points, no entanto, errou 5 dos 32 field goals que tentou. Desses 27 marcados um foi de 53 jardas. O experiente Matt Bryant, com 41 anos, se apresenta mais consistente, ele acertou 56 de 57 extra points e acertou 34 de 37 field goals e conseguiu chutar de uma distância maior, 59 jardas.

Veremos um jogo de defesas que tentarão se firmar e ataques equilibrados com 2 quarterbacks fazendo história do seu jeito, um com o maior número de anéis e outro conseguindo um título inédito para o seu time. O time que evitar os turnovers ou souber contabilizar nos erros do adversário se consagrará o campeão e levantará o Vince Lombardi na madrugada de domingo para segunda. Um excelente Super Bowl a todos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *