PRÉVIA MNF – MINNESOTA VIKINGS x CHICAGO BEARS

PRÉVIA MNF – MINNESOTA VIKINGS x CHICAGO BEARS

Vamos deixando a semana 5 para trás e ela termina com um Monday Night Football trazendo um duelo válido pela NFL North. Um dos times acaba de perder um proeminente calouro e o outro verá sua maior aposta do draft estrear. O Soldier Field em Chicago será o palco de Minnesota Vikings x Chicago Bears. Vamos a prévia desse jogo!

O Vikings e as lesões de joelho

Uma série de atletas do Minnesota Vikings vem apresentando lesões no joelho. Ano passado, o time perdeu Teddy Bridgewater com uma lesão que afetou todos os seus ligamentos e quase encerrou sua carreira. Seu substituto, Sam Bradford, já perdeu três jogos nesta temporada. Ele voltou a treinar de forma limitada semana passada, mas é outro jogador que sempre sofreu com lesões. Bradford pode voltar neste jogo, mas ainda não está garantido.

A última “vítima” foi o RB calouro Dalvin Cook. Durante a última partida contra o Detroit Lions ele se machucou enquanto corria com a bola. Os exames detectaram um rompimento total do ligamento cruzado anterior. Com isso, Cook precisa fazer a cirurgia de reconstrução e perderá o resto da temporada. Ele vinha avançando muito para os Vikings, com 354 jardas e dois touchdowns. Muitos o consideravam um sólido running back capaz de substituir a saída de Adrian Peterson.

Cook: após um bom início, fora da temporada. Foto: Associated Press

Reserva dando conta

Enquanto Sam Bradford não for liberado para jogar, Case Keenum assumiu o posto de quarterback dos Vikings e tem conseguido bons números. Contra o Lions, teve 16 passes completados ao tentar 30. Terminou com 210 jardas.

O Vikings conta com dois dos melhores wide receivers da Liga em jardas de passe, Stefon Diggs e Adam Thielen. Diggs lidera com 391 jardas em 22 recepções e já anotou quatro touchdowns. Mesmo sem entrar na endzone, Thielen é muito produtivo, levando o time adiante. Já são 358 jardas em 24 recepções. Além disso, há outras opções de recepção: o TE Kyle Rudolph e o WR Laquon Treadwell são exemplos.

Keenum está garantindo a vaga de backup pelo Vikings Foto: Kirby Lee-USA TODAY Sports

Keenum tem conseguido lançar passes longos (acima de 20 jardas) nessas três semanas de jogo. São 246 jardas e a 4ª posição da Liga no quesito. Ele deve ter cuidado ao lançar para o jogador que estiver sendo coberto pelo CB Kyle Fuller. Mesmo sendo considerado o 107º cornerback da Liga (de 111 elegíveis) pelo site Pro Football Focus, Fuller ainda não permitiu nenhum touchdown nas 25 vezes em que a bola foi em sua direção.

Manutenção do jogo corrido

O Vikings está no 17º lugar quando se fala de jogo corrido, com média de 108 jardas por partida. Dalvin Cook era o responsável pela maior parte do que era conquistado via terrestre.

Para manter o time com três running backs, Stevan Ridley veio da free agency. Ele se juntará a Latavius Murray e Jerick McKinnon. Murray possivelmente será o RB 1 do time mesmo não estando com seu tornozelo recuperado completamente de lesão. Combinados, eles não haviam chegado a 70 jardas corridas devido ao bom desempenho de Cook.

Murray: a titularidade vai lhe fazer bem?

Estabelecer o jogo corrido pode favorecer o Vikings na partida. O LB Danny Trevathan, do Bears, está suspenso nessa partida após a pancada violenta que deu em Davante Adams no jogo contra o Packers. Trevathan é o líder em tackles de Chicago. Pernell McPhee pode pressionar por fora, já tem sacks em dois jogos seguidos. A linha ofensiva do Vikings, reforçada esse ano com Riley Reiff, Pat Elflein e Mike Remmers, terá que se manter atenta tanto na proteção quanto na abertura de espaços para a corrida.

Apostando no novo

Uma das maiores surpresas do Draft este ano foi ver o Chicago Bears subir da terceira para a segunda posição na troca com o San Francisco 49ers. O objetivo alcançado foi draftar o QB Mitchell Trubisky. A intenção era que Trubisky ficasse no banco neste primeiro ano para aprender, mas as atuações ruins de Mike Glennon neste início de temporada aceleraram o processo.

Treze é um número que as pessoas devem ter em mente quando se fala de Mitchell Trubisky. Não é o número da jersey dele, mas sim o número de vezes que ele jogou como titular no futebol americano universitário. Esse número pequeno de partidas traz preocupação. Muitos acham que ele ainda não está pronto para liderar o time. Trubisky terá que provar o contrário em campo.

Trubisky: Treze jogos é o suficiente para mandar bem na NFL?

Na pré-temporada, demonstrou muita agilidade, movendo-se no pocket e fazendo muitas jogadas em “play action”, com uma boa movimentação antes de fazer o passe ou resolvendo com as próprias pernas. Ele também mostrou passes em “bootleg” em movimento e passes onde rolou para um lado do campo e lançou para um recebedor em lado oposto (rollout).

Espera-se que os recebedores também estejam preparados para a mudança de quarterback. Os alvos de Trubisky serão os WRs Kendall Wright e Deonte Thompson, além do TE Zach Miller e o RB Tarik Cohen. Wright e Thompson tem um touchdown cada e somam 279 jardas de recepção.

A secundária do Vikings tem se mostrado instável em alguns momentos da temporada. Mesmo estando em 12º lugar da Liga na defesa contra o jogo aéreo com 220,8 jardas cedidas em média, o time tem permitido que os quarterbacks avancem quando jogam em “rollout”. De dez tentativas desse tipo de passe, seis foram bem sucedidas e permitiram o total de 107 jardas e um touchdown. O rating dos quarterbacks nesse tipo de jogada contra o Bears é de 130,0. As outras quatro tentativas foram bolas jogadas fora e um sack.

Salvando o time

Mesmo com tantas derrotas, o Bears tem um triunfo no seu jogo corrido. Os running backs Jordan Howard e Tarik Cohen tem sido os responsáveis pelo ganho de jardas na via terrestre.

Howard é o segundo da Liga com quatro touchdowns marcados. Cohen é o 4º entre os calouros em jardas de scrimmage, com 331 jardas anotadas. Além disso, lidera o número de recepções por running backs com 24 bolas agarradas.

Cohen e Howard: Raio e Trovão? Foto: Jose M. Osorio/Chicago Tribune

A pressão deve vir de todos os lados. Os LBs Eric Kendricks e Anthony Barr devem marcar tanto as corridas quanto os passes para os running backs. Enquanto isso, os defensive linemen Linval Joseph e Everson Griffen se encarregarão da pressão em cima do jovem Trubisky. Joseph atua mais no interior da linha defensiva, tendo parado treze corridas nessa temporada. Everson Griffen atuará pelas pontas no pass rush. Ele tem cinco sacks e quatro hits no quarterback anotados. Oposto a Griffen, Danielle Hunter deve ficar na outra ponta da linha defensiva. Ele já tem dois sacks anotados na temporada.

Minnesota Vikings x Chicago Bears: adaptações táticas para vencer

Tanto Mike Zimmer quanto John Fox terão que tomar decisões táticas que podem alterar o resultado do jogo. Enquanto Zimmer tem que adaptar o jogo corrido e usar um QB reserva, John Fox terá que adaptar Trubisky ao seu playbook com uma semana de treinos. A batalha dos turnovers pode resolver a partida. O Bears é o time que mais devolveu a bola ao adversário, enquanto o Vikings desperdiçou chances de interceptação que poderiam ter mudado o resultado do jogo contra o Lions. Bom jogo a todos!

<3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *