“O COMEÇO DO FIM”: O POLÊMICO RELATO DA ESPN SOBRE UMA CRISE NO PATRIOTS

“O COMEÇO DO FIM”: O POLÊMICO RELATO DA ESPN SOBRE UMA CRISE NO PATRIOTS

O mundo da bola oval se agitou nessa sexta (06) com o que viria a ser uma das maiores polêmicas desta temporada: uma suposta rixa entre os três nomes de maior peso no New England Patriots: O CEO Robert Kraft, o Head Coach Bill Belichick e o QB Tom Brady. Seria essa uma possível crise no Patriots?

Na noite de quinta (05) começaram os boatos de que Seth Wickersham da ESPN publicaria um relato detalhando o desgaste da relação dos “super poderosos” da franquia. A notícia gerou expectativa e alvoroço na internet, mas por pouco tempo. Poucas horas depois, durante a madrugada, a ESPN divulgou a extensa publicação do autor.

Confira agora tudo sobre o caso: os sinais de conflito e os pontos centrais da publicação, como foi a recepção dos envolvidos e as opiniões sobre os relatos. E, finalmente, como a gente acha que isso tudo afeta o New England Patriots.

O começo do fim

O artigo trata de uma série de divergências entre o trio. Divergências essas que, segundo Wickersham, estariam próximas de romper o laço entre Brady, Belichick e Kraft. Veja abaixo os pontos centrais do relato de Wickersham.

Alex Guerrero.

Guerrero é treinador, amigo e sócio de Tom Brady na TB12 Sports.  Inicialmente, o treinador tinha passe livre nas instalações do time e era uma figura neutra na organização. No entanto, fontes disseram que o método desenvolvido por Guerrero e fielmente adotado por Brady (o TB12 Method) era tão rigoroso que chegava a parecer um culto. E ainda, que a relação tão próxima com Alex Guerrero teria mudado o jogador.

CRISE NO PATRIOTS
Tom Brady e o amigo Alex Guerrero (Foto: reprodução)

O que complicou a situação foi a pressão que isso criou entre os demais jogadores do time. Muitos entendiam que aderir ao método significava ganhar a confiança de Brady, e por isso buscavam tratamento na clínica TB12. Mas Belichick discordava, e preferia que os jogadores fossem tratados pelos médicos do time. Daí vinha a dúvida: desagradar o QB mais poderoso da Liga ou o técnico mais poderoso da Liga?

Crise no Patriots?

Em 2014, quando a intervenção de Guerrero se tornou um problema no time, Bill Belichick começou a limitar o acesso do treinador às reuniões e algumas instalações do time. Mesmo ano em que Brady e Guerrero lançaram a marca de seu negócio, que Brady iniciou o discurso de jogar além dos 40 anos e que Belichick draftou Jimmy Garoppolo. Wickersham interpretou isto como um primeiro sinal de que os planos futuros do head coach poderiam não incluir o QB que impulsionou seu legado. Os anos seguintes viram Guerrero, figura extremamente influente na vida de Brady, perder cada vez mais sua influência e acesso às instalações do time.

Além disso, foi relatado que quando Garoppolo se machucou no início da temporada 2016 (enquanto substituía Brady durante sua suspensão), ele agendou uma visita à TB12. Ao chegar lá, as portas estavam trancadas e ninguém de lá atendia ao telefone. Guerrero nega ter recusado atender qualquer jogador, e Garoppolo eventualmente fez seu tratamento na TB12. Mas somente duas semanas após a data de seu agendamento inicial e apenas após intervenção de um funcionário influente do time.

Conflito de personalidades entre Brady e Belichick.

A personalidade rígida e notoriamente metódica de Belichick estaria irritando Brady, principalmente neste ano. Tudo teria começado no jogo de playoffs da última temporada contra o Texans, quando Belichick teria criticado duramente o jogador na frente de todo o time.

Além disso, Brady teria movimentado reuniões dentro da organização em outubro para discutir a extensão de sua carreira no time. A reunião específica com o head coach teria terminado de forma abrupta.

A saída de Jimmy Garoppolo.

Segundo Wickersham, Belichick, que sempre defendeu que não há estabilidade na NFL (você joga enquanto for o melhor), teria interesse em preparar Garoppolo para sucessão na posição de QB. O Patriots ofereceu uma extensão contratual a Garoppolo, entre 17 e 18 milhões de dólares, e que subiria quando ele eventualmente substituísse Brady. Só que Garoppolo e seu agente (o mesmo de Brady), às vésperas de se tornar free agent, recusaram a proposta por motivos desconhecidos.

CRISE NO PATRIOTS
(Foto: reprodução)

Pule algumas semanas, e Belichick teria procurado Kyle Shanahan e oferecido o jogador por uma barganha, segundo fontes internas. A notícia teria surpreendido o staff do time, que viam potencial no jogador para assumir a titularidade no futuro. Além disso, a venda naquele momento não fazia sentido, já que o Patriots teria conseguido um retorno maior pelo jogador se o tivesse negociado antes do início da temporada.

Desinteresse de Belichick?

Para o head coach, que não acredita na interferência dos proprietários nas decisões esportivas, essa pode ter sido a gota d’agua, segundo amigos do técnico. A matéria ainda acrescenta que Kraft teria abraçado Brady na frente de outros jogadores na semana seguinte à negociação, e que o jogador estava especialmente contente nesses dias.

Outro sinal do desgaste e desinteresse de Belichick em permanecer no time seria a conduta quanto aos coordenadores. Ele estaria auxiliando membros de sua equipe a se preparem para entrevistas de emprego, algo que não fazia antes.

Wickersham encerrou a matéria dizendo que o confronto com o New York Jets na última semana da temporada regular não parecia o último sob o comando de Belichick. Mas que para vários membros do staff do time, a sensação era como se fosse.

O trio se manifesta

Horas depois da divulgação da matéria, a franquia divulgou um comunicado em nome dos envolvidos na matéria. Veja abaixo o que eles disseram:

“Declaração conjunta do CEO do Patriots Robert Kraft, Head Coach Bill Belichick e Quarterback Tom Brady:

Nos últimos 18 anos nós três temos desfrutado de uma agradável e produtiva relação profissional. Nos últimos dias, diversos relatos da mídia especularam a respeito de teorias que são infundadas, altamente exageradas e desencontradas. Nós três temos um objetivo em comum. Nós aguardamos ansiosamente pelo imenso desafio de competir na pós-temporada e pela oportunidade de trabalharmos juntos no futuro, assim como fizemos nos últimos 18 anos. É uma infelicidade que tenhamos que responder essas falácias. Como nossas ações têm mostrado, permanecemos unidos.”

CRISE NO PATRIOTS
(Foto: reprodução)

Relato gera especulações e respostas

Na internet, o assunto monopolizou as conversas e sites de notícia. Muitos discutiram o impacto das alegações na pós-temporada do time, que inicia os playoffs na próxima semana, no round divisional. Mas houve quem já pensasse na temporada seguinte e num eventual destino para o insatisfeito head coach.

No fim do dia, fontes diziam que em meio ao drama, Belichick teria notado uma abertura para ocupar a posição de HC do New York Giants, algo que seria um desejo antigo do treinador (que já atuou como coordenador defensivo do Giants antes de aterrissar em New England). Segundo o New York Daily News, fontes teriam dito que “Bill sabe que essa seria sua última chance de ser treinador do Giants”.

Mas quem não mostrou muita satisfação com a publicação foi o empresário de Brady e Garoppolo, Don Yee. Ele deu a seguinte declaração após a publicação da matéria:

“Eu não sei bem o que dizer. É difícil ter uma resposta já que me parece que não há uma fonte oficial. O que eu sugiro é que não acredite em tudo que você lê”.

Alex Guerrero, um dos protagonistas da trama, se manifestou em um extenso discurso na página do TB12Sports. O treinador destacou as conquistas em sua carreira e agradeceu Tom Brady, seu sócio e amigo. Ele também agradeceu Robert Kraft e os técnicos do Patriots pela oportunidade de tratar os jogadores do time.

Wickersham se embola recontando trechos da matéria

Se depois de ler a matéria você ainda tinha dúvida que Seth Wickersham é um cara polêmico, agora não mais. O jornalista, que também deu declarações controversas sobre a briga entre Jerry Jones e Roger Goodell. Em entrevista a uma rádio, disse o que achava da reação acalorada dos fãs do Patriots:

“Eu defendo o que escrevi e está tudo bem. Isso faz parte da diversão”.

O que mais contribuiu para aqueles que reagiram negativamente ao texto foi a falta de fontes. A matéria foi elaborada a partir de entrevistas com jogadores, executivos e funcionários do time, porém sem nenhum nome ou função divulgada. Mas Wickersham se defendeu  dizendo que “ele e a ESPN são extremamente cautelosos com o que publicam, e que tentam verificar as informações o máximo possível”.

Mas recontando a troca de Garoppolo, o jornalista cometeu uma gafe. Seu texto dizia claramente:

“… A reunião terminou com uma ordem clara: Trocar o Garoppolo porque ele não estava nos planos de longo prazo do time”.

Na entrevista, o discurso mudou:

“Bill (Belichick) saiu da reunião sentindo que teria que trocar o Garoppolo, eu acho” (…) Eu não acho que o Kraft ordenou que ele fizesse alguma coisa. Eu acho que a combinação de tudo – o Garoppolo rejeitando as ofertas, a forma que o Tom estava jogando, a lealdade ao Tom, fizeram com que o Kraft tomasse uma decisão “técnica” pela primeira vez em muito tempo, dizendo que o Jimmy Garoppolo não estava nos planos de longo prazo do time. A partir daí era função do Bill organizar uma troca. Acho que foi assim que as coisas aconteceram”.

E o que a gente acha disso tudo?

É bem provável que três homens tão vitoriosos em suas respectivas áreas tenham um nível de desgaste na relação. Um QB de 40 anos que vê o relógio apertando sua carreira, pode, sim, temer a substituição e o fim eminente de seu tempo de jogador.  Acreditar que Belichick, Kraft e Brady concordam em tudo e que não há uma nesga, uma disputa, uma batalha de egos quando discordam, beira a ingenuidade.

Isso quer dizer que as alegações de Wickersham, são todas verdadeiras? Sem provas, não!

Independente das alegações, não dá pra esquecer que são 18 anos de experiência juntos. 18 anos de conquistas, derrotas, escândalos, bolas murchas e viradas quase impossíveis.  De spygate, deflategate e quem sabe até outros “gates” que a gente nem conhece e nunca vai conhecer.  Polêmica? Só mais uma pra coleção, ao lado de todos os títulos e bons resultados.

Fontes: ESPN.com, ProFootballTalk, CBS Boston

One thought on ““O COMEÇO DO FIM”: O POLÊMICO RELATO DA ESPN SOBRE UMA CRISE NO PATRIOTS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *