JERRY JONES AMEAÇA JOGADORES DE DALLAS QUE ADERIREM AOS PROTESTOS

JERRY JONES AMEAÇA JOGADORES DE DALLAS QUE ADERIREM AOS PROTESTOS

Engana-se quem achava que a pauta dos protestos na NFL tinha perdido fôlego. O assunto voltou com força total nesta semana depois de (mais) uma declaração polêmica sobre o assunto. Dessa vez, o responsável foi o dono do Dallas Cowboys, Jerry Jones.

Após a derrota do time para o Green Bay Packers no último domingo (8), Jones disse a jornalistas que “não irá tolerar desrespeitos ao hino norte-americano, e que os jogadores que se ajoelharem durante o hino não irão jogar”. Brandon George, do Dallas Morning News e Chris Mortensen, da ESPN, dois jornalistas que divulgaram as declarações de Jones pós-jogo, publicaram também que o posicionamento de Jones é decorrente de uma conversa pelo telefone com Donald Trump.

Na ligação, Trump teria “lembrado” ao dono do Cowboys sobre as regras do manual de jogo da NFL, que prevê regras sobre a conduta dos jogadores durante o hino, além de estabelecer punições, caso as regras sejam descumpridas.

Os jornalistas também atribuíram o discurso de Jones  ao ocorrido na partida entre o San Francisco 49ers e o Indianapolis Colts. Após observar que vários jogadores dos dois times se ajoelharam durante o hino, o Vice Presidente dos Estados Unidos (e fã do Colts) Mike Pence, abandonou o estádio. Isso teria alertado o dirigente sobre a criticidade do assunto na Administração de Trump.

 

 

Fonte: Getty Images/ESPN

A fala de Jerry Jones foi alvo de atenção, e rendeu elogios e críticas na internet.

Trump parabeniza atitude

Como de costume, o Presidente dos Estados Unidos usou o Twitter para se manifestar e apoiar a conduta de Jones. Trump saudou “Jerry Jones, dono do Dallas Cowboys, que irá mandar para o banco jogadores que desrespeitarem nossa bandeira. Fique em pé para o hino ou sente-se para o jogo.”

O Presidente já havia declarado que orientou o VP Mike Pence a sair do estádio caso houvesse protestos, como ocorreu no jogo entre 49ers e Colts.

Tema vai ser pauta de discussão entre NFL e dirigentes das franquias

Mantendo uma postura neutra sobre o assunto, a NFL se limitou a dizer que o assunto irá entrar na pauta da reunião trimestral entre a Liga e os donos das franquias, que acontecerá na semana que vem. Joe Lockhart, Vice Presidente de Comunicações da NFL disse que está ciente das frustrações de todos os envolvidos, e que espera que o tema seja o assunto central da reunião.

Antes da reunião, Goodell enviou uma carta aos 32 times dizendo que “gostaria que os jogadores ficassem de pé durante o hino”. Na carta, obtida por Adam Schefter da ESPN, Goodell não deixou claro se haverá alguma regra para garantir que sua sugestão seja cumprida, mas disse que gostaria de minimizar a controvérsia unificando a abordagem dos times quanto aos protestos.

Usado em um dos argumentos de Jones, o manual de operações de jogo da NFL define que os jogadores devem ficar de pé na sideline durante a execução do hino, e prevê medidas disciplinares em caso de descumprimento das regras. No entanto, a Liga não adotou nenhuma espécie de punição, pelo menos até o momento. Na reunião da próxima semana, as medidas do manual poderão entrar em discussão, alterando a conduta da NFL quanto aos protestos durante o hino.

Sindicato do Texas denuncia discurso 

Na terça-feira (10) um sindicato no Texas protocolou uma reclamação contra o discurso de Jones no Conselho Nacional de Relações Trabalhistas.  Segundo o sindicato, Jones, enquanto empregador, teria publicamente ameaçado, coagido e intimidado os jogadores do Dallas Cowboys para prevenir a organização de atividades protegidas pelo documento que rege as relações trabalhistas no país.

A NFL e o Dallas Cowboys não se manifestaram quanto à acusação

Um lembrete pra quem não acompanhou a rodada de protestos na semana 4, após o polêmico discurso de Trump recomendando a demissão dos jogadores que protestam: Jerry Jones estava lá. Se muitos dirigentes manifestaram seu suporte através de mensagens de apoio aos times, Jones fez mais: entrou em campo, se ajoelhou junto ao elenco do Cowboys antes do hino e permaneceu de braços dados com os jogadores enquanto a simbólica melodia era cantada.

Outro lembrete: Trump fez a seguinte publicação no Twitter em 24 de setembro: “Fãs do esporte não deveriam apoiar jogadores que não permanecem de pé orgulhosos com seu hino nacional. A NFL deveria mudar sua política!” O mesmo Trump, apenas duas semanas depois, informou a Jones que a regra da NFL define que os jogadores devem ficar de pé?

Se o objetivo da declaração de Jones era minimizar as polêmicas (e potenciais consequências) sobre os protestos, bom, parece que não está dando muito certo…

 

Fontes: Sportsday.com, ESPN.com, CBS Sports

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *