DICAS DE FANTASY FOOTBALL: A POSIÇÃO DE RUNNING BACK

DICAS DE FANTASY FOOTBALL: A POSIÇÃO DE RUNNING BACK

Os running backs são tão polêmicos quanto quarterbacks, e tão importantes como os wide receivers. Depois de esclarecermos a “polêmica” dos QBs e destacar a importância do WR nos textos anteriores, há outro grande peso no fantasy: a posição de running back.

Assim como os WRs, os RBs são extremamente importantes. Bons jogadores nessa posição chegam a pontuar como quarterbacks – em média 20 pontos por jogo. É o caso de Ezekiel Elliott e Le’Veon Bell, além de David Johnson com 327.80 pontos totais – o maior pontuador na temporada passada.

A lógica da relevância dos corredores é bem parecida com a dos recebedores. Se você perdeu basta ler aqui:

Entretanto, por muito tempo (e para alguns ainda é), havia uma regra que você deveria escolher um RB no primeiro round. Isso ocorre por causa da queda de talento na posição. Mas como abordado anteriormente isso é relativo e esse paradigma caiu por terra. Diante disso, reforçamos: nos primeiros rounds escolha baseado nos talentos disponíveis. Seja óbvio!!!

O ponto é: a regra pro primeiro round é que não há regra. Você monta a sua estratégia baseado no primeiro talento disponível, seja WR ou RB. Muita gente comete o erro de achar que necessita de um RB e acaba ignorando WRs melhores.

Logo, não importa qual seja a sua estratégia de draft, uma parte fundamental na construção de um bom time é ser um bom olheiro e achar os talentos também nas últimas rodadas: e atenção para a posição de Running Back. Exemplo claro é LeGarrette Blount que saía em média no 8º round  e terminou a temporada como 7º melhor RB na pontuação padrão.

Segue abaixo a nossa lista de possíveis “RBs talentos” dos últimos rounds. Não esqueça deles!

 CJ Prosise, Seattle Seahawks

CJ Prosise, Seattle Seahawks

Como novato, CJ Prosise perdeu um pedaço significativo de Training Camp e pré-temporada por lesão. Mas quando ele entrou em campo, foi um bom pontuador. Em um intervalo de quatro jogos entre as semanas 8 e 11, Prosise progrediu anotando, em média, pontos com dois dígitos.

Ele foi destaque do Sunday Night Football na Semana 10 contra o Patriots com 153 jardas, liderando o jogo em jardas terrestres e aéreas. Depois disso ele foi evoluindo cada vez mais. Infelizmente sofreu uma lesão no final da temporada.

Inicialmente Prosise iria competir com Thomas Rawls pela posição de RB1 da franquia. Mas com a vinda de Eddie Lacy isso não irá mais ocorrer. Contudo, o seu valor para os Managers do Fantasy Football permanece bom. No training camp, Prosise mostrou que está saudável e encantou os repórteres que fizeram avaliações positivas do seu trabalho.

Ele está atrás de Thomas Rawls e Eddie Lacy no roster, mas a briga com Rawls ainda existe. Logo, com a falta de opções que geralmente ocorre por volta da 10ª rodada do draft, é bom dar uma chance a Prosise que como um segundanista receberá chances de desenvolver seu talento no time de Seattle.

Dalvin Cook, Minnesota Vikings

Dalvin Cook, Minnesota Vikings

O jogo corrido do Vinkings na temporada passada não fluiu e se tornou o foco da equipe nessa offseason. Assinaram contrato com Latavius Murray, reforçaram a OL e selecionaram o promissor Dalvin Cook. Confesso que apostar em Cook pode ser um pouco arriscado. Com Murray na equipe, há uma disputa pela vaga de RB. Mas riscos, às vezes, são necessários e podem ser diferenciais.

Lavatius Murray vem de uma temporada inconsistente, com uma boa OL em Oakland, e isso gera dúvida quando falamos em fantasy football.

Quase todos os relatórios do trainning camp colocam Cook como líder de corrida do Vikings. Além de destacarem as qualidades multifuncionais dele. Sendo assim ele será um bom backup no seu roster uma vez que há indícios que ele participará 50/50 dos snaps. Combinando as qualidades de Murray e Cook poderemos ver em Minnesota uma dupla parecida com Freeman e Coleman de Atlanta.

Christian McCaffrey, Carolina Panthers

Christian McCaffrey, Carolina Panthers

Aparentemente tudo está contra McCaffrey. Cam Newton é um quarterback mobile e anota muitos touchdowns com as próprias pernas. Jonathan Stewart tem tudo para acumular muitas jardas. E o Panthers ainda conta com Greg Olsen e Kelvin Benjamin como alvos confiáveis para recepções. Mas se formos comparar, o RB Giovani Bernard também tinha tudo isso em 2015 e ainda sim terminou a temporada com 132 pontos.

Com Stewart em uma idade avançada e uma média de menos de 11 jogos por temporada nos últimos cinco anos, tudo indica que o Panthers não quer “sobrecarregar” o veterano. Com isso, seguimos o hype que há em Carolina e acreditamos que após o 4º round, McCaffrey será o seu garoto relevação. Apenas tenha paciência. Talvez ele não encante tanto nas primeiras semanas. Dê tempo para o Panthers desenvolvê-lo.

Há grandes chances que aconteça com ele o semelhante à Jordan Howard no ano passado.

 Theo Riddick, Detroit Lions

Theo Riddick, Detroit Lions

Com Ameer Abdullah voltando, Riddick perde um pouco de espaço como RB, mas ele é excelente recebendo passes. Com Ameer Abdullah voltando, procure Riddick para voltar ao seu papel de mudança de ritmo que ele teve em 2015, quando ele totalizou mais de 600 jardas de recepção. 

Riddick é estritamente um jogo PPR. Nós realmente não podemos contar com os seus touchdowns ou total de jardas corridas, mas podemos contar com as recepções dele. Assim, essa pode ser a melhor chance de running back no final do draft e se encaixa no esquema Lions perfeitamente. Então, espera-se que ele continue a ser um jogador backup por algumas semanas nesta temporada.

Jeremy Hill, Cincinnati Bengals

Jeremy Hill, Cincinnati Bengals

Com Joe Mixon, o valor de Hill cai. Porém não podemos ignorar que ele é o líder atual de corridas do Bengals e anotou pelo menos 9 touchdowns em cada um dos três anos na NFL. Uma das características ofensivas da franquia, que possui uma fraca linha ofensiva, é explorar as diferenças de seus RBs e variar no jogo corrido. Tanto que para 2015 e 2016 Giovani Bernard e Jeremy Hill possuem números parecidos.

Jeremy Hill esteve em 56% dos snaps na temporada passada, mas ainda assim foi capaz de conquistar 155.3 pontos totais. Mesmo que suas corridas diminuam, ele ainda continua sendo bom e na redzone. O fator competição por espaço deve estimular Hill a voltar à excelente temporada de calouro.

O único problema é que após eu separar essas dicas, Hill sofreu uma lesão no tornozelo a qual não sabemos ainda a gravidade. Antes de descarta-lo totalmente, espere para mais detalhes. Na dúvida, descarte-o.

Aonde eu quero chegar quanto à posição de running back?

Para finalizar lembramos que você não deve se prender à temporada passada em que os running backs se destacaram. Muitos fatores contribuíram para isso, como: lesão e esquema tático defensivo e ofensivo. Contudo, ano passado o número total de corridas foi 200 vezes inferior ao ano de 2015 em que os wide receivers se destacaram. A diferença foi na redzone em que eles foram mais acionados.

As defesas virão preparadas e lesões, infelizmente, acontecem. Os ataques mudam o playbook. E isso tudo impacta no Fantasy Football. Portanto, não estabeleça pesos muito diferentes entre running backs e wide receivers.

Outra daquelas dicas do coração: estude mais os calouros. Este anos foi um bom draft para posição de running back e eles vão querer mostrar serviço.

Enjoy it <3

2 thoughts on “DICAS DE FANTASY FOOTBALL: A POSIÇÃO DE RUNNING BACK

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *