CLÁSSICO CARIOCA – IMPERADORES E REPTILES NA BFA

CLÁSSICO CARIOCA – IMPERADORES E REPTILES NA BFA

Clássico é clássico independente da modalidade. Em um clássico envolvendo rubro-negros e alvinegros cariocas, o Flamengo Imperadores e Botafogo Reptiles representam quando o esporte é o futebol americano. Não faltou emoção nesse jogo que foi decidido apenas na prorrogação com um field goal. Além de tudo, teve muita comoção por parte dos atletas do Reptiles que tinham a presença da mãe de Caio Granado.

Sobre o jogo, pedimos para quem estava ali e proporcionou show nesse kickoff da BFA para nos contar sua experiência. Afinal, repórter e redatores contam histórias, atletas vivem e sentem, e pela peculiaridade do clássico, demos voz a eles.

Pelo Botafogo conversamos com o T-White, kicker que foi o único pontuador do jogo. E pelo lado do Flamengo o  Jow , que administra a vida de defensor com a vice-presidência da equipe rubro negra.

O jogo

Para um jogo tão truncado e de nuances tão particulares, deixamos os protagonistas do espetáculo explicar o sentimento da partida.  T-White destaca a atuação da equipe alvinegra, que saiu vitoriosa:

“O overtime do jogo foi difícil e durante o tempo normal tive três chances de matar a partida. A última aconteceu quando faltavam 5s para o fim do jogo e eu acabei errando um field goal. A bola chegou a bater no poste e saiu. Só senti esse peso sair das minhas costas quando o kicker do flamengo,  Ariel, chutou um field goal,  bola tinha direção, mas não teve força. Então eu pensei que da próxima eu não daria chance para o azar, seria bola boa e faríamos a festa. O Flamengo é sempre um time a ser batido. Agora é pensar no próximo desafio, que é o jogo em Minas. Vai ser um jogo difícil, já enfrentamos a equipe (Minas Locomotiva) no ano passado, e ganhamos deles em casa.”

Jow, do Flamengo Imperadores por sua vez declarou.

“O ataque do Botafogo tinha dificuldades para segurar nossa DL.  Os WRs do Botafogo são bem rápidos e o Mamão é bem preciso, mas completar passes no meio do campo tem seu preço. Foram ganhando 10 em 10 jardas até chegar uma posição confortável para o FG. Conseguimos bloquear FG no tempo normal mas no OT, forçamos um passe, fomos interceptados e perdemos a oportunidade do chute. Demos aí a chance ao Repitiles de acabar com o jogo com qualquer pontuação. Eles aproveitaram e saíram vitoriosos.”

O Tabu e a homenagem

Um tabu de três anos que foi quebrado, uma vitória suada e com placar de soccer, mas muito significativa para o Botafogo Reptiles. Principalmente porque os alvinegros estavam em campo com uma força a mais. Antes da apresentação do Hino Nacional, foi feito um minuto de silêncio em homenagem ao atleta Caio Granado, o famoso #8 do Reptiles, que infelizmente perdeu a vida em um acidente de carro.

Foi dada a palavra para a mãe do atleta que, muito emocionada, contou como o esporte era paixão de seu filho e no fim gritou “Botafogo Reptiles, eu amo vocês!”. Terminada a partida em 0x0, na prorrogação, foi do pé direito do grande amigo e colega de quarto do Granado que veio a vitória. A felicidade de Thiago Torres, o T-White, era contagiante e o sentimento de dever cumprido estava presente. Belo começo de temporada Nacional para os cariocas alvinegros ainda mais com essa marca e homenagem ao eterno Caio.

*Matéria em homenagem a Caio Granado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *