ANQUAN BOLDIN RECONSIDERA APOSENTADORIA E PODE VOLTAR PARA A NFL

ANQUAN BOLDIN RECONSIDERA APOSENTADORIA E PODE VOLTAR PARA A NFL

O wide receiver Anquan Boldin anunciou sua aposentadoria em agosto mas, pelo jeito, reconsiderou e está pensando em voltar. Para que isso aconteça, ele precisa ser negociado pelo seu último time, o Buffalo Bills.

O jornalista da ESPN Adam Schefer publicou em seu Twitter uma carta enviada, na última quinta-feira, por Brandon Beane, GM do Bills, a Tom Condon,  agente de Boldin. Com ela o agente poderá procurar um novo time para Boldin.

Adam Schefter on Twitter

WR Anquan Boldin has expressed interest in playing again and Bills have given his agent permission to shop him, per letter ESPN obtained.

A aposentadoria e a luta por direitos humanos

Em 20 de agosto, Anquan Boldin anunciou sua aposentadoria aos 37 anos, 13 dias depois de assinar um contrato de US$ 4 milhões de dólares com o Bills. Na época, ele declarou que se dedicaria a causas humanitárias :

“O futebol me proporcionou uma plataforma através da minha carreira onde pude ter um impacto maior no meu trabalho humanitário. Nessa hora, eu me sinto direcionado a fazer da luta por direitos humanos uma prioridade. Meu propósito de vida é maior que o futebol.”

À rádio Sirius XM NFL, no dia seguinte ao seu anúncio, afirmou que não consideraria assinar com um time competitivo mais à frente no ano. O WR disse que poderia jogar mais que seis ou dez semanas, até uma temporada inteira. Porém, Boldin lembrou que o seu trabalho humanitário estava se sobrepondo ao esporte e que se sentia grato a todas as oportunidades que recebeu graças a ele.

Anquan Boldin
Foto: Divulgação

A revista Time publicou na última quinta-feira um artigo do atleta intitulado “Why Players Protest” (Por que Jogadores Protestam). No começo, ele lembra do seu propósito de vida e porque resolveu deixar algo que amou por toda sua vida para se tornar um defensor da reforma da justiça criminal e da igualdade social e racial.

Boldin fala como os jogadores estão usando o ato de ajoelhar durante o hino nacional americano para fins de protesto. Ele lembra que, como atletas,  podem usar a plataforma para chamar a atenção quanto às causas da justiça racial e social. Também elogia as atitudes do Comissário Roger Goodell, e dos donos dos times ao permitirem os protestos e até se juntarem aos jogadores.

As condições para a troca

Quando Boldin anunciou sua aposentadoria, sua equipe o colocou na lista de reservas/de aposentadoria. Isso significa que ele não estaria apto a jogar por outro time a menos que ele fosse negociado.

Com a carta recebida, o agente Tom Condon tem até às 13 h do dia 31 deste mês para conseguir uma troca, ou seja,  3 horas antes do fim do prazo da Liga para transações desse tipo para a temporada deste ano. Na carta também há as condições de que Boldin não pode visitar, fazer exames físicos ou tryouts e nem discutir um novo contrato com outro time.

Na data da sua aposentadoria, Boldin encontrava-se sem time até ser contratado pelo Bills. Ele começou sua carreira no Arizona Cardinals, passou pelo Baltimore Ravens, vencendo o Super Bowl XLVII, passou pelo San Francisco 49ers e, antes de assinar com o Bills, jogava pelo Detroit Lions.

Será que ele consegue uma casa nova em quatro dias?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *